Pular para o conteúdo principal

Desejos de uma mãe

Desejos de uma mãe aos seus filhos.

São tantas as aspirações de uma mãe para seu filho, mas tudo o que desejarmos, irá, por fim, sintetizar em algo único: o de que eles sejam felizes!

Felicidade. Tenho certeza que esta blogagem terá um chão comum em todas as postagens que participarem, e esse chão comum é o desejo de que nossos filhos sejam felizes.

Eu desejo que meus filhos aprendam e se lembrem de colocar o feijão de molho na véspera do cozimento, de preferência à noite e no outro dia pela manhã, joguem aquela água fora, coloquem outra e liguem o fogo. O feijão ficará macio e cozinhará mais rápido. Alimentar-se com feijão fresquinho, caseiro, traz felicidade.

Eu desejo que meus filhos não façam as pessoas sofrerem, não acrescentem mais sofrimento ao mundo além do que ele já tem.

Olhando para a minha maternidade, vejo que todos os cuidados oferecidos a meus filhos são pequenos sonhos que vão se juntando, se transformando ao longo de tempo. Alimentamos o bebê para que cresça saudável, desejamos seus primeiros passos, ajudamos a estabelecer uma boa coordenação motora, na fase escolar, desejamos que se adaptem, façam amigos, tenham um bom aprendizado. E por aí vai. Cada fase com suas características e a medida em que vão crescendo, percebo que esses desejos vão ganhando uma abrangência maior. Agora não é só amarrar os cadarços, mas aprender sobre o aspecto financeiro e comprar seus próprios calçados.

Quando crescem e ganham asas, continuamos desejando que sejam felizes, mas a vida não é feita só de tempos felizes. Há sofrimento. Por mais que a gente queira fugir dele, fingir que isso não existe, que nunca chegará "aos meus filhos", faz parte do viver, os momentos difíceis.

Então agora meus desejos são de que meus filhos consigam lidar com as adversidades. Elas virão de muitas maneiras, seja pela economia do país, sejam os relacionamentos deles. Lidar com perdas, frustrações, mantendo-se estáveis enquanto passam pelas turbulências e não sendo arrastados por elas.

Meu filho, que agora mora sozinho, tem enfrentado várias dessas turbulências e tem sido uma oportunidade de muito aprendizado para mim e para ele. 
Eu procuro sempre aprender, ampliar meu olhar e, como ele dá abertura, tento mostrar a ele que é possível.

Por agora eu tenho um sonho para meus filhos que é o que tem sido chamado de "alfabetização emocional". E esse sonho passa por mim também, que é familiarizar-se com as emoções que surjem, especialmente as mais difíceis: ciúmes, inveja, raiva, ódio e ir aprendendo a trabalhar com elas.

Esse olhar para as emoções nasceu em mim olhando para os noticiários e vendo tanto sofrimento nos relacionamentos. Jovens espancadas por seus namorados, maridos...

Poderia ser minha filha a jovem espancada. Poderia ser meus filho o cara que espancou a namorada, ou menos falado, o menino estar num relacionamento totalmente manipulado pela garota. E é preciso enxergar isso, ver uma saída.

A gente nunca gosta de olhar para isso, mas eu acho necessário e tenho feito isso aqui em casa, nas nossas conversas, nos nossos momentos em que estamos todos juntos.

Os relacionamentos afetivos se intensificarão - de amigos que se veem em alguns períodos, surge um namoro, ou mesmo um casamento ( em suas mais diversas formas hoje em dia ). 

Na nossa família, a gente foi construindo uma "prática"que não tem um período exato para durar. Por exemplo, quando as crianças eram pequenas nos debruçamos a praticar o contentamento! Era se debruçar anos e anos sobre ele. Aprender o significado, colocá-lo no dia-a-dia. Ele, o contentamento, não deixou de fazer parte em nós, agora, porém temos uma outra prática para aprender, olhar demoradamente, praticar, ver quando deixou de fazer, porque é difícil - é a vez do sorrir!

Nossa inspiração:

O dom de um rosto sorridente

Sua presença
alegra o ambiente.
Sua presença
tranquiliza a todos.
Eu também desejo me tornar uma pessoa como você.

da poetisa Mitsuo Aida


Fácil é sorrir quando tudo vai bem. O oposto, bem, é mesmo um aprendizado e em outra postagem falarei sobre isso!

Uma página do nosso álbum


Que nosso chão comum, como mães, avós, tias madrinhas, possa ir sendo realizado mesmo ante as adversidades. Que sejam felizes nossos  pequenos.

Blogagem coletiva organizada pelas meninas Te Nolasco do blog Bolhinhas de Sabão para Maria e Cris Philene do Prosa de Mãe.



Comentários

  1. Lindo e sempre comovente te ler! Arrepiada eu fico! Lindos sorrisos e mais ainda, tuas palavras sempre tão certas! Queremos mesmo o melhor, felicidade e como o caso do feijão que falaste, isso mostra que queremos ensinar que a felicidade está nas pequenas coisa ,na simplicidade! e que eles devem levar pela vida afora, saber viver com o que tem e lutar pra conseguir o que querem... Adorei! beijos, tudo de bom, chica ( o poema da Mitsuo fala muito!)

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, é isso mesmo! Dissestes muito bem, no contentamento é fácil sorrir, já nas adversidades nos esquecemos as vezes do quão importante é ter um coração alegre e um sorriso nos lábios para vencê-la.. Que bacana a prática do contentamento, adorei, é de extrema importância exercitar essa boa condição da vida... sempre!
    Adorei seus desejos e como você disse, ser feliz é o desejo de toda mãe aos seus filhos, como não?
    Como disse a Chica, é muito gostoso te ler..... Obrigada pelo carinho em mais uma postagem junto com a gente! É muito bom ver as experiencias diversas!

    Beijos

    Tê e Maria ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana Paula! Um prazer estar aqui e recebê-la no Diário. Obrigada pela presença. Os mais secretos pensamentos e emoções representam as mães. E as interações mais profundas, significativas e transformadoras procedem da inteligência emocional. Um lar onde se profiram palavras alegres, se pratiquem atos de bondade e onde a gentileza e o amor são hóspedes constantes, combatemos com êxito, tornamo-nos invencíveis! Beijo! Renata e Laura

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, que delícia ler sua postagem, com certeza a felicidade é um dos maiores desejos nossos de mães para os nossos filhos, mas, entendemos tb que as diversidades chegam e que precisam ser fortes e constantes para superar.
    Cada fase um novo desejo surge em nós e sempre o melhor é o que desejamos e que procuramos fazer a eles.
    Amei a foto da parte do álbum que sorriso contagiante..
    Obrigada por vir conosco,
    Bjs, Cris

    ResponderExcluir
  5. Perfeitas palavras Ana, que lindo texto.
    Ensinar e praticar o contentamento, a levar e espalhar mais amor, porque o mundo já está cheio de dor....
    Ajudar os filhos com as questões emocionais, não somente individual, mas coletiva, não é algo fácil, mas também ensino aqui em casa... Ensino e converso muito sobre esse olhar de respeito ao próximo, o saber enfrentar os "Nãos" da vida, etc.
    Nossa missão eu acredito que seja eterna, porque até em nossa partida, as boas sementes ficam, então que continuemos com boa fé e coragem, essa jornada de Mães!
    Ana, espero e desejo que você tenha tido um lindo dia das Mães, porque você é uma pessoa, mulher, filha, amiga, mãe, maravilhosa!
    Amei o texto e as fotos!
    Beijos doces,
    Ju

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O vestibular

São exatamente 11h15min de uma sexta-feira, 23/11/2019. Sol, céu azul com pouquíssimas nuvens e a primeira fase do vestibular escolhido por meu filho Bernardo começará logo mais, às 13h30min. Ele já saiu de casa.


Tentamos manter uma "aparente" normalidade na nossa rotina, sem menções, conselhos de última hora e afins. As aspas amparando a palavra aparente é mesmo para dizer que sim estamos todos, pai, filha, filho e eu, a mãe que iniciou o almoço às oito e meia da manhã, um tanto confusa se a água da chaleira era para o café ou para o arroz, com emoções que podem ser traduzidas em ansiedade, esperança, confiança, medo, alegria, tristeza. Deve ser tudo isso muito misturado.
De nossa parte, os pais, não há cobrança alguma, apenas apoio para um sonho.
De minha parte, há o reconhecimento de um empenho surpreendente que já acontece há dois anos. Há também o reconhecimento de que é uma prova extremamente complexa. Há colegas de meu filho que estão nessa lida há 4 anos.
Sei, sabemos, qu…

Aprendo com meus filhos

Que alegria! Mais uma blogagem coletiva organizada pelas meninas, Tê Nolasco do blog Bolhinhas de Sabão para Maria e Cris Philene do Prosa de Mãe.
O tema proposto para esse mês é: "Filhos: com eles mais aprendo do que ensino".

Assim que o tema que seria proposto para essa blogagem, lembrei-me imediatamente de um programa na rádio, quando Monja Coen, da tradição zen-budista, atendeu ao telefone e orientou uma mãe muito aflita.

Essa mãe contava que sua rotina com o filho era tão atribulada que ela não encontrava tempo para suas orações, nem para frequentar algum templo, muito menos fazer um retiro. Lamentava-se por estar distante de sua religiosidade.

A resposta da monja foi surpreendente! "Você não precisa ir a nenhum templo e você não está de maneira alguma distante da tua religiosidade; você tem um professor te ensinando o tempo todo - o teu filho! Aprecie todos os ensinamentos e oportunidades que ele te proporciona e ensina dia a dia".

Quando sabemos que seremos mães,…

Na casa da vizinha

Mais uma blogagem coletiva da qual participo com alegria, organizada pelas meninas Cris Philene do blog Prosa de Mãe e Tê Nolasco do blog Bolhinhas de Sabão para Maria.
O tema desta vez é "Ser mãe nem sempre é ser super".
Quero começar esse texto, convidando-os a uma reflexão a partir de uma arte. 

O artista dessa imagem pode ser conhecido no instagram - @m_melgrati e a publicação está no perfil @olugar.
Redes sociais que usam imagens/fotos e textos curtos, em sua quase totalidade, pode ser representada por essa imagem. Nas telinhas, todos estão felizes, não há cabelo no ralo.
No meu ralo tem cabelo, mas eu não vou fotografar e postar no instagram...
E por isso eu aprecio os blogs, os textos longos e as blogagens coletivas que nos permitem falar também sobre o cabelo que tá no ralo!
O problema não está no instagram, facebook, snapchat, enfim. O problema está em quem olha aquilo e acredita que há felicidade em tudo. Escolhemos o que publicar e podemos escolher também escolher em que…