Pular para o conteúdo principal

Postagens

Um presente para Bernardo

Quero falar sobre um presente que dei para meu filho Bernardo.
Antes, porém, vou falar de meu pai e de como cheguei a este presente.
É prosa longa! Aceita me ouvir?
Puxa a cadeira e pega um café, um suco, um chá!

Já contei aqui neste blog que meu pai era um homem nascido em 1915. Um homem bom, amou-me com todo o seu coração, sempre senti isso.
Aqui vou trazer apenas um recorte, um detalhe de meu pai: revistinhas da turma da Mônica era proibido em casa. Ponto.

Lembro de ter assistido a uma entrevista com Maurício de Souza, criador da Turma da Mônica e suas histórias em quadrinhos, onde ele dizia ter sofrido muito preconceito no início de sua carreira por conta de acharem que os quadrinhos eram literatura de baixo nível. Meu pai era uma dessas pessoas.

Cresci sem ter contato com os quadrinhos. Foi no curso Magistério que estudei literatura infantil e lá estavam as revistinhas absolvidas do olhar de meu pai.

Era um gênero literário, um estímulo à leitura.

Com meus filhos, incentivava-os com os qu…
Postagens recentes

Aulas, material, métodos de estudo

Por aqui, as aulas da Júlia já começaram, precisamente na segunda-feira, dia 27.
Mudamos de cidade e de escola, embora essa escola seja uma filial da anterior, o que faz com que haja familiaridade com os métodos de ensino, o estilo das provas, ainda assim é diferente pelo fato dela ter que formar novas amizades, conhecer gente nova, professores, o ambiente.

Claro que ela sentiu ter deixado amigas lá na outra cidade, porém a tecnologia tem sido aliada e mantido essas amizades sendo nutridas.

Nos dias que antecederam a volta às aulas, nós fomos comprar o material escolar e na fila para os caixas acabamos rindo da situação! Haviam pais com carinhos de supermercados para acomodar tantos itens. Eu e ela segurávamos nas mãos, as poucas coisas que compramos!
Aqui abaixo a foto com o material, que na verdade foi comprado apenas o bloco de papel para fichários, canetas, régua e lapiseira com grafite. Todas as canetinhas coloridas ela já tinha e vai reutilizar.

Ufa! Confesso que é uma alegria chegar…

Feliz aniversário!

26 de janeiro de 2020 17 anos! Feliz Aniversário Bernardo! Nunca lhe falte o sorrir filho!
Que alegria comemorar mais um aniversário de nosso filho! Agora completando 17 anos!
Eu escolhi, dentre não muitas fotos, ( como é difícil tirar uma foto tua! ) essa foto que você me enviou porque ela revela muitos detalhes do momento em que estamos vivendo.
O sorriso que eu amo, o humor que me faz rir também e sério, eu achei que você tivesse perdido e como isso me entristeceu.
Bernardo criança tinha o riso fácil: foi durante um período da adolescência que esse sorriso foi trocado por resmungos e mau humor. Ah como eu me preocupei. Onde havia ido parar aquele menino sorridente, sempre alegre? Achei que seu bom humor nunca mais voltaria e eu acredito que a vida fica bem mais difícil para os carrancudos.
Toda transição traz incertezas e uma enorme potencialidade e talvez lidar com tanta energia seja muito difícil para os adolescentes.
Mas, o amor e a paciência estiveram sempre presentes nessa fase de transi…

De maneira seriada

Primeira postagem do ano por aqui, então quero desejar a todos um feliz novo ano com muita disposição e saúde para desfrutarmos de momentos bons e passarmos pelos difíceis da melhor maneira possível!
Desde a última postagem, nós passamos pela mudança de cidade e toda a bagunça que isso nos traz e tivemos também o vestibular da Júlia, que merece registro e reflexões.
Júlia, que agora em 2020 cursará o 2˚ ano do ensino médio, no ano passado quis fazer o Enem e Fuvest para treinar e conhecer. Sobre o Enem disse ser um teste físico, corporal mesmo, afinal cinco horas a estar sentado... Sobre a Fuvest, gostou do estilo da prova, achou, para ela, bem mais coerente com o que aprende na escola.
Para mim:
Embora o Enem tenha feito uma revolução na maneira de ingressar em uma faculdade, continuo achando que não é o caminho ideal. Alunos das melhores escolas particulares ainda têm mais vantagens do que as escolas públicas e muitas escolas usam o resultado de seus alunos no Enem como vitrine de publici…

Diversidade

O projeto Na Casa da Vizinha traz, neste dia da Consciência Negra, um tema tão riquíssimo, abrangente e necessário neste cenário que temos de intolerâncias.

Eu gostaria de ter proporcionado aos meus filhos, na infância, um convívio, um contato com as tão diversas culturas de nosso tão vasto país. Esbarrei nesta vastidão territorial e os muitos obstáculos que me impediram de realizar esse desejo - viajar "brasis" afora.

No que hoje é chamado "ensino médio", eu fiz o Magistério com especialização em educação infantil. Trouxe dali uma bagagem cheia de reflexões que usei e uso na maternidade.

Como a criança é livre, aberta, curiosa. Ela pode questionar sim porque a pele é negra, porque o olho é puxado, mas são as nossas respostas e concepções que podem fazer nascer o preconceito.

A diversidade da linguagem, da maneira de falar, de dar nomes às coisas, é algo tão riquíssimo, mas que a gente pode transformar em errado e gerar uma percepção de que aquele outro ser que fala de…

Formatura

Na última sesta-feira, 08 de novembro, houve a cerimônia de formatura militar de nosso filho e seus colegas.
Um ano de serviço militar obrigatório já foi cumprido!
Eles ensaiaram muito e ficou tudo muito bonito!


Num determinado momento, eu e marido ficamos longe. Eu fui para frente para poder fazer algumas fotos. Quando ele veio ao meu encontro disse: "Eu tenho uma história linda pra te contar! "
"Tem um casal ali de Fortaleza que trouxe a babá que cuidou do menino quando ele era um bebê para assistir à cerimônia. Ouvi eles dizerem que há muitos anos que ela não trabalha mais, só que o carinho que ela tem pelo rapaz é imenso. Quiseram retribuir todo esse cuidado trazendo-a para participar desse momento especial!"
Algumas moças e rapazes seguirão na carreira militar; meu filho não.
Agora segue com o compromisso apenas da faculdade.


Irmãos

A porta se abre e no meu peito aquele misto de susto e alegria, que logo dá lugar à brinca no melhor estilo das mães!

- Menino, mas o que é isto? Por que tá andando com essas roupas?
-Ah mãe! Eu vim tirar uma foto com meu Juju porque logo não usarei mais essas roupas!




O encerramento do serviço militar está próximo e ele quis registrar esses momentos com a irmã.
Lembrei-me do dia em que, retornando do hospital, trouxe nos braços o  pacotinho, a irmãzinha Júlia! Ele quis pegá-la no colo. Eu, tinha o receio, tinha o desejo de que o vínculo se estabelecesse. O resultado? Aí, na foto tremida. Tirada por mãos trêmulas. Uma foto que, mesmo sem a estética devida, é de uma beleza imensa para meu coração.



Assim pequeninos, os ciúmes foram quase nenhum. Crescidos, ah... "Você sempre protege mais; de mim você não gosta; tudo sempre para..."
Das brincadeiras e cumplicidades da infância, chegamos em uma fase de afastamento da relação irmãos, que me entristecia muito e eu sem parâmetros para lidar co…